segunda-feira, 12 de novembro de 2018

Justiça indefere 12 candidaturas de deputados federais e estaduais e 1 de senador em MS

Nova_-eleição-2018.jpg

Entre eles dois candidatos Indígenas tiveram suas candidaturas impugnadas. Danilo Terena (PHS) que disputa uma vaga com deputado estadual e Aguilera Guarani (MDB) como deputado federal.

Dentre os candidatos está o deputado estadual João Grandão, do PT, que concorre à reeleição

João Grandão foi condenado pelo TRF1 por vários crimes e foi enquadrado na Lei da Ficha Limpa – Foto: Victor Chileno/ ALMS

O TRE-MS (Tribunal Regional Eleitoral), indeferiu 12 candidaturas de deputados estaduais e federais e uma que concorre vaga ao Senado Federal. No último dia 5, por unanimidade dos juízes, foi decidido pelo indeferimento da candidatura do deputado João Grandão (PT), devido a inconstitucionalidade incidental da Lei da Ficha Limpa. João Grandão está na lista dos impugnados pela Justiça.

Além de João Grandão, mais seis candidatos que disputavam uma vaga na AL/MS (Assembleia Legislativa), foram impugnados pelo TRE. Alexandra Loureiro (Podemos), Coronel Julio Komiyama (PTC), Danilo Terena (PHS), Eleudes Celestina (PSC), Elaine Recalde (Pode) e Gibasan Hassan (PSD). A Candidatura de Danilo de Oliveira Luiz, conhecido com Danilo Terena, foi impugnada porque foi condenado em processo administrativo quando tinha cargo na Funai (Fundação Nacional do Índio). Eleudes dos Santos, por sua vez, não deixou cargo no município.

Aguilera Guarani (MDB) Pretendia uma vaga na Câmara Federal e Danilo Terena (PHS) uma vaga na AL/MS

Também foram indeferidas candidaturas de candidatos deputados federais com são. Aguilera Guarani (MDB), ex-vereador Indígena de Dourados, Leyde Pedroso (PSB), Roberto Durões (PSL), Valdinei Souza (PV), Wagner dos Santos (Rede).

Thiago Freitas do PPL, candidato a uma vaga no Senado também tem a candidatura impugnada. Segundo a Procuradoria Regional Eleitoral, Freitas não se afastou de suas funções junto à Subsecretaria de Políticas Públicas para a Juventude. Onde ocupa o cargo em comissão de Direcção Gerencial e Assessoramento. Segundo o TRE/MS, ele permaneceu no cargo até o dia 6 de julho deste ano.

Até o momento a Justiça Eleitoral já indeferiu 13 candidaturas, além de ter a renúncia de 18 políticos. Assim tornando 31 nomes inaptos, entre os 535 que se registraram em Mato Grosso do Sul. Os candidatos que foram impugnados, ainda podem recorrer da decisão para tentar disputar o pleito de 2018.

Com informação de Correio do Estado

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

dezessete − sete =

Top