sexta-feira, 14 de maio de 2021

Cultura Indígena e celebrada em Campinas SP

dança_tore_campinas.jpg

Indígenas dançam o Toré no calçadão da 13 de Maio em Campinas durante o evento Foto:Luciano Claudino/Código 19

Campinas

O 1º Encontro de Cultura Indígena de Campinas e 2ª Feira de Cultura Indígena reúne. Acontece na Estação Cultura, 22 etnias em uma programação que neste sábado (2), terceiro dia, contou com feira de artesanatos, shows e desfile. O destaque ficou por conta da dança do Toré, usada em comemorações e encontros. A apresentação feita pelos índios foi da estação à Rua 13 de maio, despertando olhares da população nos comércios.

Hoje a atração fica por conta do show do músico Lino Humman. A tradição musical do Povo QuéChua também será garantida ao som de flautas. O encontro foi organizado pelo grupo independente EtnoCidade, em parceria com o Programa Índios na Cidade, da ONG Opção Brasil, de São Caetano do Sul, e a Rede de Apoio Kariri Xocó, com apoio da Secretaria de Cultura de Campinas.

Segundo Alessandro Oliveira, um dos organizadores, está na hora de ter um novo olhar para os indígenas. “São mais de 8 mil indígenas vivendo em Campinas. É o terceiro município do Estado com maior população indígena vivendo em cidades. É impossível a gente não olhar a população indígena entre as diversas etnias que estão na cidade. É um momento histórico para nós, um marco, então é a hora de recuperar a memória e a diversidade cultural do País”, disse Oliveira, que representa o EtnoCidade.

A Feira

O evento foi dividido em duas partes. A primeira, que ocorreu nos dias 31 de agosto e 1º de setembro, foi voltada à formação de professores das redes municipal e estadual, com debates sobre a demarcação das terras indígenas, além da organização dos indígenas. A segunda parte é marcada por manifestações culturais, tendo, inclusive, a 2ª Feira de Cultura Indígena, realizada com o Mercado Mundo Mix Indígenas.
Para Tamikuã, da etnia Pataxó, o fato do índio ter contato com a tecnologia não faz com que ele perca suas origens. “É muito importante mostrar para o povo que aqui na cidade existem muitos de nós, e sofremos um preconceito grande.” São cerca de 70 expositores de moda e decoração, além de 25 operações no Food Park, com opções da gastronomia tradicional indígena. Secretário de Cultura de Campinas, Ney Carrasco comemorou a realização do evento. “Temos que ressaltar que a cultura dos índios é uma das bases da nossa formação cultural. Assim como o negro e o branco”, afirmou.

Fonte: Correio conectado – Campinas/SP

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

dezenove + 13 =

Top